top of page
  • Thabata Arruda

Discão 03 | Do Romance ao Galope Nordestino

A música, tanto quanto a escrita, relata e contextualiza, culturalmente e socialmente, um dado lugar e época. Ajuda a ambientar histórias. É nessa lógica que o disco Do Romance ao Galope Nordestino, do Quinteto Armorial cabe. As canções eruditas-populares (sim!) dão textura e, no imaginário poderoso de Gabriel, ajudam a narrar as aventuras de Riobaldo pelo grande sertão. Como se Guimarães Rosa e Antônio Nóbrega, com sua rabeca, tivessem contando juntos sobre todo aquela vida árida e rica.


 

Disco: Do Romance ao Galope Nordestino | Artista: Quinteto Armorial | Ano: 1974


por Gabriel Nunes de Azevedo

Meu discão da porra é Do Romance ao Galope Nordestino, do Quinteto Armorial.

Na minha opinião, esse é o disco mais importante da música pernambucana. não só devido a fatores estéticos, mas também pelo peso sócio-cultural que ele teve por ter dado uma identidade sonora ao movimento armorial. embora não seja uma coisa inédita o encontro entre a música erudita e aquela que a gente tem o costume de chamar “música popular”, o Quinteto Armorial conseguiu criar uma sonoridade bastante característica com esse álbum.


Já a importância desse disco na minha vida, acho que posso dizer que ela se relaciona com a importância que dou a um livro, o Grande Sertão Veredas. É o meu livro favorito. Lembro que descobri o disco quando o estava lendo. Imaginava Zé Bebelo, Diadorim e Riobaldo presos na fazenda dos tucanos, cercados pelos jagunços do Hermógenes e do Ricardão, e ao fundo tocando Ponteio Acutilado. Acho que posso dizer que Do Romance ao Galope Nordestino é a única trilha sonora possível para Grande Sertão Veredas.


Gabriel Nunes de Azevedo é estudante de jornalismo. Já passou pela Revista Rolling Stone e SESC - SP.

Comments


bottom of page